Encontros Pensantes

Para ser franca, não sei como nasceu esta ideia porque ela não nasceu, mas sim, foi nascendo, imperceptivelmente, ao longo de décadas de ensino, a vários níveis etários e cognitivos.

Quando um dia me apercebi, estava a criar pequenos encontros, em casa, com um reduzido grupo de pessoas que gostavam de pensar e de reflectir.

Certo dia, querendo arranjar um nome para atribuir a uma mini Sala de Estudo, alguém que frequentava as pequenas Sessões, ao detectar as sugestões já propostas pelos alunos da Sala, teve a iniciativa de acrescentar uma síntese que, segundo a sua opinião, era uma verdade, embora destoasse nitidamente daquelas que foram propostas pelos alunos.

Estes não tiveram dúvidas, na hora marcada para a escolha, pois a votação foi unânime, pelo facto de sentirem que aquela opinião estava mesmo de acordo com a vivência de longo tempo, naquele espaço que, desta forma, passou a chamar-se “Mesa da Procura”.

Insiro aqui este aparte, como uma sincera homenagem a quem entendeu e mostrou, já lá vão vinte e nove anos, um sentir a Vida duma maneira tão sensível.

Encontros Pensantes são mais do que a “Mesa da Procura” porque são, essencialmente, um acto de Partilha pelo qual se dá e se recebe, transformando-nos na pura simbiose, tão esquecida na vida.

Hoje, estes Encontros Pensantes libertam-se do seu reduzido espaço físico para ir ao seu encontro, esteja onde estiver, à hora que convier e, quem sabe, no momento exacto do sentir.

E como neste Projecto, “Poemas do País da Vida”, não existe o espírito de crítica, assim acontece o mesmo com os Encontros Pensantes que se baseiam, essencialmente, na reflexão visando a descoberta de valores ao nível do Ser Humano para serem partilhados.

Pela experiência, ao longo de décadas, verifiquei que quem espera que os outros falem para somente ouvir, não sente o prazer da descoberta, ou então, se alguém já disse o mesmo que a pessoa tinha também para dizer, esta última inibe-se de pôr a público o que pensava poder fazê-lo e sente-se, de certo modo, frustrada.

Então, neste Projecto, escreve-se, porque o que está escrito mostra ser do próprio, por não ter havido influência exterior.

Quando se põe tudo em comum, aí surge a partilha e cada um se sentirá confiante porque deu o seu contributo e recebeu o contributo dos outros e a satisfação nasce em ambas as partes.

Aqui, surge a necessidade de contacto por escrito. Por essa razão, criou-se um mail para o efeito que ficará, não só nesta página como na página dos contactos:

poemasdopaisdavida@gmail.com

Se a adesão a esta participação foi significativa, talvez se faça, um dia, um trabalho colectivo para as gerações presentes e futuras.

A porta está aberta a quem quiser por ela entrar.

Seja “Bem Vindo” desde já.

Maria José Almeida

Data de início:  29 – 09 – 10